quarta-feira, 5 de março de 2014

Corupá Extreme Marathon

Maratona é sinônimo de corrida. Para o leigo qualquer corrida é maratona. Quem nunca ouviu Maratona de 10 km, Maratona da São Silvestre. Para corredor, maratona tem exatos 42,1 km e é a distancia que muitos temem e ao mesmo tempo sonham em fazer. Eu estou me preparando para uma prova de 100 km, então inevitavelmente a distancia da maratona seria coberta sem grandes festividades e seria somente parte do "protocolo". Por sorte achei uma prova bem legal que iria bater certinho com o meu calendário de treinos e ainda teria uma altimetria legal para me preparar para as montanhas da Patagônia: Corupá Extreme Marathon. Conheci a prova durante a clínica do Iazaldir Feitosa promovida pela Webtreino. Isso foi no final do ano passado, e desde então a prova parecia um pensamento distante.

Os meses foram passando os treinamentos se intensificando, as distancias aumentando...E a prova cada vez mais perto. Não estava ligando muito na verdade, como disse antes fazia parte somente de um "protocolo". Fui aumentando as distancias nos treinos gradativamente, até chegar aos 32 kms. Nada demais a não ser pelo fato de esses 32 kms ocorrerem 4 dias antes da prova, rs...Nunca tinha corrido mais que 32 kms na minha vida inteira. Nessa mesma semana que fiz 32 kms eu tinha feito 20 kms no domingo os 32 na terça e pra fechar 12 na quarta. A prova era no sábado e já estava com 64 kms nas costas. Não me importei muito pra falar a verdade, estava encarando a prova como treino e o importante era finalizar, já que ia ser uma prova muito dificil em um terreno que ainda não domino muito e com uma altimetria pesada.

Chegamos (eu, meus pais e minha esposa Julia) em Jaraguá do Sul na sexta no final da tarde após uma viagem chata e cansativa. Tivemos de correr para Corupá (cidade onde seria realizada o congresso técnico e a entrega dos kits) para podermos chegar a tempo da apresentação técnica. Chegamos no Hotel Tureck (onde acontecia o congresso) e logo a apresentação começou. Começaram a detalhar o percurso, mostraram as fotos, as dificuldades. Nessa a ansiedade que antes não existia começou a crescer. Vi que o negocio não ia ser nem um pouco fácil. A dúvida se eu iria acabar que antes não existia passou a ser parte dos meus pensamentos no restante da noite e no inicio do dia seguinte. Eu e a Julia saímos do congresso técnico e fomos jantar para logo em seguida ir para o hotel, arrumar as coisas para o dia seguinte e dormir.

Acordamos bem cedo no dia da prova, nem precisei de despertador tamanha a ansiedade. Tomamos nosso café da manhã conferimos os últimos detalhes. Fui colocar meu tenis para prova quando percebi...A lingua do tenis havia se descosturado na base da mesma.  Não tinha trazido nenhum outro então não tinha o que fazer. Desencanei...
Pré largada, eu e minha esposa Júlia

Chegamos uns 15 minutos antes da largada que ia acontecer as 8:00. Logo encontrei o Cid meu fisioterapeuta, combinamos de tentar fazer a prova juntos. Ele tem bastante experiencia em provas de endurance e sempre esta bem preparado, sabia que não ia ser tarefa fácil. Logo que nos alinhamos para a largada o Bonnato organizador da prova nos informou que devido as fortes chuvas ocorridas durante a noite o percurso da Maratona (que teria mais ou menos 40 km) teria de ser mudado para um percurso de 46 kms. Todo mundo achou ótimo. Logo em seguida ele comentou que fariamos um circuito de 2 voltas na prova de 23 kms para completar os 46. A maioria achou ruim, pra ser sincero eu não ligo muito não...

Momentos antes da largada
Contagem regressiva e largamos. Eu e o Cid saimos fortes (4:30-4:40 o km), nesse ritmo normalmente eu não tenho muitos problemas pra manter por bastante tempo sem me esforçar muito. Mas logo percebi que não ia rolar no dia. As pernas estavam pesadas e o folego "curto". Talvez tenha sido pela semana pesada ou porque não era pra ser mesmo...Mantemos assim até sair do asfalto (mais ou menos uns 3 kms). Logo começaram as estradas de chão com subidas. Subimos bem, em alguns trechos corremos um pouco. Senti uma pedra incomodando no meu tenis, ela tinha entrado no buraco que ficou descosturado na lingua, tive de parar para arrumar, odeio ter que fazer isso mas não tinha outro jeito. Me preocupei, sabia que o tenis ia dar trabalho ao longo da corrida. Corremos por 1 km mais ou menos na estrada de chão e logo chegamos ao inicio da subida em trilha. Não era muito técnica, mas tinha muita lama e bem inclinada, mantemos o ritmo forte. Em alguns trechos o terreno era plano o que possibilitava a corrida.. Logo chegamos a um trecho que foi mencionado no congresso técnico: um vale enorme onde era possível avistar diversas montanhas proximas, uma vista muito bonita. Nesse trecho haviam vários banhados, cada passo a perna afundava até as canelas na lama. Não tinha muito o que fazer qualquer lugar que se pisava estava comprometido. E o maldito tenis descosturado só acumulando lama. Ele estava incomodando demais mas não queria parar naquele momento, estavamos num ritmo bom.

Logo entramos em uma trilha bem técnica. Trechos técnicos são meu ponto fraco, fico muito receoso de tropeçar, torcer o tornozelo e além disso não sou muito ágil o que me fez perder bastante tempo ali. O Cid manda muito bem nesses trechos e se mandou...Depois disso nem cheguei mais perto dele! A trilha era pesada e em alguns momentos tivemos de subir auxiliados por cordas.
Subida auxiliada por corda
O trecho era de mata fechada
Sai dessa trilha com o tenis cheio de pedras e lama, aproveitei para tirar um pouco e conseguir correr melhor. Não adiantou muito mas mesmo assim segui em frente. Fui informado por um dos staffs que subiriamos somente mais um pouco e logo era só descida, me animei, sou bom em descidas. Só tinha um detalhe. Todo o percurso estava atolado de lama. Era lama de tudo quanto é tipo e forma. Tinha piscina de lama, lama dura, lama mole, água com lama...Não consegui correr grande parte do percurso, a maior parte do tempo lutava pra não ficar encalhado e por conta disso fui passado por muita gente. Nesse momento a vontade de "correr" a corrida diminuiu e a partir dai só pensava em terminar. Foi muito difícil esse momento, o tenis estava incomodando, a corrida não fluia, o calor estava aumentando, comecei a sentir dor no tornozelo direito. Em um momento meu braço esquerdo bateu em um galho e me machuquei um pouco, comecei a sangrar, nada demais, mas incomodou.  Pensei por alguns momento em desistir. O meu GPS estava marcando mais ou menos 20 kms e ainda faltava uma volta para acabar.
Nesse momento eu estava acabado, muito cansado
Antes de fazer a volta tivemos que entrar em uma estrada de asfalto e correr 3 kms até a cidade.Estava muito quente e o asfalto piorava tudo. Assim que entrei no asfalto vi um homem correndo em minha direção. Era meu pai! Fiquei muito feliz, não estava esperando. Chegando próximo a largada (onde faríamos a volta) comecei a sentir muita dor de barriga. Muita mesmo, tive que parar e andar. Tive de procurar um banheiro (e esperar pois estava ocupado) antes de prosseguir. Fora isso reabasteci minha mochila comi um pouco e parti. Foi bastante tempo parado, mas tinha de ser feito se quisesse terminar a corrida.

Comecei a segunda volta ainda me sentindo muito mal. Estava me esforçando muito pra manter um ritmo médio.Ainda tinha 3-4 km de asfalto eu senti muito calor, tive de andar bastante. Por sorte achamos um morador que estava trabalhando no quintal de casa e ele nos cedeu a mangueira do jardim para nos refrescar. Foi muito bom e ajudou muito, me senti revigorado. Finalmente chegamos ao inicio da estrada de chão. Lá tinha um grupo de staffs da Bananalama (grupo de jipeiros da região que ajudou muito na segurança do evento. MUITO OBRIGADO!) oferecendo coca-cola e água. Tomei um pouco de coca, meu pai ficou por ali e comecei a subir.

Assustado com a primeira volta, comecei a subir bem mais comedido, focando somente no momento e evitando me exceder. Funcionou, cheguei muito bem até a trilha técnica e tinha encaixado um ritmo bom. A trilha técnica foi bem cansativa mas assim que terminei ela sabia que ia terminar a prova. Sempre que via a possibilidade de "tomar um banho" parava e me refrescava. Ajudou bastante e todos estavam fazendo o mesmo.

Logo começou a descida, dessa vez já estava mais esperto com ela. Estava muito mais enlameado dessa vez por conta de jipeiros que tinham passado por ali momentos antes. Alguns até estavam encalhados por causa da lama, tivemos que desviar deles pelo canto. Avancei bem mais rápido e não liguei muito em ficar atolado e cair. Me sujei bem mais dessa vez e foi bem divertido!

Enlameado mas feliz

Faltava uns 5 kms para acabar a corrida então decidi acelerar um pouco. Logo cheguei no asfalto e meu pai me esperava novamente. Corremos juntos até a linha de chegada, o calor apertou novamente mas como estava chegando não liguei muito. Foi muito bom atravessar a linha de chegada e ver toda minha família me esperando feliz pra comemorar comigo.
Quase chegando!



Cheguei! Muito feliz!

Pós-prova com a familia!


A prova foi animal. Recomendo a todos que queiram fazer. A organização se mostrou impecável e o desafio foi enorme! Ano que vem o retorno é garantido!
Vou falar em um post separado sobre o que aprendi na prova e como estou me sentindo pros 100 km da Patagonia!

8 comentários:

  1. Cara... MUITO feliz por ti e essa tua prova. Torço muito pelo sucesso de vocês. Vai detonar na Patagônia.
    Continue assim que tá no camiho mais que certo. Parabéns!
    Forte abraço!
    Milton - www.vintesemanas.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Milton,

      Obrigado pelas palavras, muito obrigado mesmo. Fiquei de te mandar uma msg sobre o premio de atleta do ano e acabei esquecendo. Parabens! Sempre falei pra Julia que era obvio que vc ia ganhar. Que venham mais conquistas pra nós 3! Abraço!

      Excluir
    2. Valeu meu amigo, muito obrigado pelas palavras também.
      Abração!

      Excluir
  2. Parabéns!
    Depois desta descrição, eu não quero fazer não. Muito sofrimento. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanto mais sofrido mais divertido! hahaha

      Obrigado!

      Excluir
  3. Emocionante ler seu depoimento, parabéns pela corrida e pela família maravilhosa. Não se preocupe muito, você sempre vai terminar bem qualquer prova sendo filho de quem é. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas palavras! Os Ederaldos sempre foram minhas grandes inspirações. Tenho muito que correr pra chegar perto deles.

      Agradeço novamente

      Excluir
  4. Felipe e Júliah,
    Primeiro, parabéns pelo casamento de vocês. Que a saúde e felicidade esteja sempre presente no lar de vocês. A escolha da Patagônia para lua-de-mel é incrível. Fico super na torcida.
    Adorei o relato da estreia do Felipe na maratona, aliás, a única estreia de alguém em 46km. Super parabéns!! As fotos ficaram ótimas. Parabéns pelo paizão que te acompanhou em dois momentos da prova. Isso não tem preço mesmo. Incrível.
    abraço e bons treinos.
    Helena
    Blog Correndo de bem com a vida
    @Correndodebem

    ResponderExcluir