domingo, 28 de julho de 2013

Descanso Não Planejado

Poisé, as férias chegaram, o frio também e as lesão vieram junto. Infelizmente me machuquei e fiquei de molho por 3 semanas.
Lesionei um músculo da coxa, chamado sartório. Ele inicia no quadril e desce até o joelho. Esse músculo auxilia na flexão, abdução e rotação externa do quadril e auxilia na flexão do joelho.
É mais fácil entender vendo essa imagem aqui:



Há um mês atrás comecei a sentir umas dores na coxa, mas não achei que fosse nada importante. Corria mesmo assim, porém sentindo uma dorzinha que eu achava que logo passaria. Fui no ortopedista, que me passou antiinflamatório e repouso de uma semana das corridas. Claaarooooo que eu não obedeci e dois dias após a consulta participei da Fila Night Race. Na hora da corrida não senti nada. A noite estava muito fria, então logo após ter acabado a corrida, acabei desaquecendo a musculatura e a dor voltou e mais intensa.
Senti que estava ocorrendo algo mais sério quando comecei a sentir a coxa durante o ciclismo e na natação.
Percebi então, que deveria ter seguido as recomendações do meu ortopedista e não ter feito a prova de corrida. Com isso tudo, acabei ficando mais tempo do que o planejado sem correr e nem pedalar. Fora no total 3 semanas, que mais parecem um ano inteiro, sem fazer atividades intensas.
Me senti frustada com tudo isso. Estava feliz com os tempos que estava conseguindo obter nas pistas e agora meu medo é voltar, sentir dor, piorar novamente e não conseguir alcançar o pace desejado. Estava planejando fazer uma prova de 10km, um revezamento de triathlon e uma prova de revezamento de corrida em agosto e setembro. No momento, me sinto tão distante de todos meus objetivos, mas não deixarei o desânimo tomar conta. Essa semana é a volta por cima e estou bem ansiosa para esse retorno tão esperado.
O que aprendi com isso tudo é:
-O frio faz piorar a dor e ajuda a machucar (quando não bem aquecido, alongado e/ou condicionado);
-Quando o médico passa uma prescrição, siga-a à risca mesmo parecendo que cautelosa demais;
-Não desanime, todos se machucam e todos pensam em parar em algum momento, basta seguir sempre com a mente bem trabalhada para seguir em frente e
-Sempre tenha metas e objetivos de curto, médio e longo prazo. Eles te impulsionam a sempre continuar e cada vez melhor.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Circuito Batel de Ciclismo


Eu feliz antes da prova
Esse post é sobre um assunto realmente muito especial para mim. Comecei a pedalar em março desse ano, à 4 meses atrás. Literalmente, não sabia nem subir sozinha em uma bicicleta. Engraçado, pois quando eu era pequena eu andava de bicicleta sem problema nenhum. Realmente não sei o que aconteceu, qual trauma eu tive para nunca mais conseguir andar sozinha.
O ciclismo era a pedra no meu sapato, ficava insegura de iniciar no triathlon devido a essa modalidade. Achava que iria demorar muito tempo para consegui me virar sozinha. Mas para minha surpresa na primeira aula de ciclismo já estava pedalando sozinha. Meu primeiro tombo, não lembro bem ao certo, mas creio que foi duas semanas após iniciar os treinos. Tinha muito medo de que quando caísse fosse me machucar seriamente. Me machuquei, mas não foi nada sério. À partir daí, consegui quebrar alguns medos que tinha em relação a bicicleta e comecei a me divertir mais.
Uma coisa muito importante é a bicicleta. Pode parecer óbvio mas na verdade não é! O tamanho do quadro da bike, o grupo dela, o material que é feito, isso influencia demais. Quando iniciei, peguei uma speed do meu sogro que estava jogada em um depósito. Não me adaptei à ela. Era enorme para mim, pedalar com ela não era nada confortável, era bem sofrido para falar a verdade. Acabei comprando uma que é perfeita para mim.
Agora vem mais dois pontos importantes, como sei que é perfeita para mim? Onde comprar essa bike tudo de bom?



Essas duas perguntas na verdade estão relacionadas. Lojas de departamento, supermercados ou coisas do tipo, com certeza NÃO são os melhores lugares para se comprar uma bicicleta. Quando estamos com dor de dente, vamos ao dentista ou ao açougueiro? Obviamente no dentista. Então porque na hora de comprar um artigo de tamanho valor e importância para nossos treinos, iremos em um lugar que não seja especialista no assunto, não é mesmo?! As lojas voltadas ao ciclismo até podem ter coisas mais caras, mas isso é porque trabalham com coisas com qualidade e duradouras, em sua maioria. Boas lojas também, oferecem o Bike Fit na compra de sua magrela. Isso nada mais é do que ver se o tamanho do quadro realmente está proporcional para o seu tamanho, se a mesa precisa ser mais avançada, ver a altura do selim,... enfim, detalhes que fazem completamente a diferença.
Pois bem, no último domingo, dia 04/07, resolvi fazer a minha primeira prova de ciclismo. Tudo começou com a inscrição. Acabei me enrolando ao máximo para fazer e efetuei o pagamento faltando poucas horas para encerrar as inscrições.
O circuito era constituído de algumas ruas fechadas, com 1.3km de distância a volta, sendo o campeão da bateria quem fizesse mais voltas em um determinado tempo. Esse tipo de prova chama-se de Criterium de Tempo.
Escolhi fazer a categoria "Estreante Speed" que era 25min de prova. As outras categorias que eu me encaixava eram Elite ou Mountain Bike. No sábado às 22h, véspera da prova, o organizador me ligou avisando que não teria mulher suficiente para a categoria que eu queria, então automaticamente passei para a categoria "Elite Speed Feminina". Fiquei bem apavorada com isso, pois o tempo de prova passou de 25min para 40min.
Acordei bem sem inspiração para pedalar. Estava desanimada desde a noite anterior.
Chegou a hora! Estava alinhada na linha de saída e reparei que as meninas que estavam participando, grande parte, eram ciclistas quase profissionais. Assim que deu a largada, que inclusive, era no meio de uma subida, não consegui clipar a minha sapatilha direito. Nisso as mulheres já estavam bem na minha frente, fazendo a primeira curva e eu lá, me batendo para conseguir dar as primeiras pedaladas. De repente comecei a escutar um barulhinho "tec tec tec"e não identifiquei o que era. No meio da 1a volta, parei, desci da bike e fui ver o que era. Nada! Continuei pedalando até acabar a volta, parei novamente e desisti da prova. Encontrei com meu treinador que acabou descobrindo que o problema era o sensor de cadência que estava desalinhado e batendo no quadro da bicicleta. Resolvi voltar para a prova, só para pedalar mesmo, pois naquele momento as mulheres já tinham completado 3 voltas e eu 1 incompleta. Agüentei fazer apenas mais 2 voltas. Isso mesmo, foram 3 voltas no total e uma sensação enorme que iria vomitar!!! O circuito tinha muita subida e bem íngremes, uma descida bem grande e muitas curvas. Isso acaba quebrando muito o ritmo pois é muito vira, aumenta marcha, desce marcha, sobe, senta, levante, vira…


Eu, como triatleta iniciante, não pretendo repetir essa prova ou qualquer outra de ciclismo tão cedo, à não ser que esteja inclusa no meio de um duathlon ou triathlon. Foi uma experiência ótima para saber quais pontos devo melhorar e que ainda tenho muita pouca experiência para encarar esse tipo de loucura novamente.




quarta-feira, 3 de julho de 2013

Aqua o que?

Você sabe o nome daquela modalidade onde se nada 600 metros e corre 3km? Se você disse Aquathlon, parabéns, acertou! Se você disse Biathlon, parabéns, você deve esquiar e atirar de rifle muito bem! O Biathlon na realidade é uma prova que combina Esqui Cross-Country + Tiro (Carabina .22) e é uma prática de países nórdicos e/ou com muita neve.

As distâncias mais comuns do Aquathlon são essas mencionadas acima, sendo que existem provas com 500 metros de natação e 5km de corrida. Essas provas são a porta de entrada de vários atletas para o mundo do triathlon. Inclusive, Juraci Moreira, atleta renomado de triathlon, com 3 participações em Olimpíadas e 1 Panamericano, começou assim.
Existem etapas estaduais desse esporte, sendo Rio de Janeiro e Paraná os estados que mais realizam esse tipo de prova. Há também um mundial de Aquathlon. Uma vez por mês, o ITU (International Triathlon Union) realiza uma prova de triathlon olímpico (explicarei sobre distâncias em um próximo post), contando sempre com atletas de elite. A "abertura" dessa prova, conta com um aquathlon de 1000m de natação e 5km de corrida. Em 2012, 30 brasileiros participaram da etapa de Auckland - Nova Zelândia.

Eu já participei de 2 provas dessas. Gosto do fato da natação ser curta, ou seja, dá para pegar mais pesado sem problemas que não irá atrapalhar na hora da corrida. A corrida também é curtinha, quando você vê, já está no km 2, quase acabando a prova. O que é ruim é que a prova é muito curta, 30 minutinhos e já acabou, então a prova inteira é feita em ritmo intenso. Outra coisa que eu não gosto muito, porém não me afasta da prova, é o clima. Moro em Curitiba. A chance de acordar e o tempo estar fechado é enorme. Como a natação, pelo menos das vezes que eu participei, é em piscina aberta, o frio e a água mais gelada judia mesmo nessa hora. Na hora da corrida não tem nem como pensar no frio. À partir do momento que começa a natação não tem nem como se incomodar em como está o clima, apesar que sempre acabo levando uma camiseta de manga comprida para a transição só por desencargo de consciência.
Como eu não estou acostumada a correr sem meia, prefiro não arriscar e apenas enfio as meias no pé de qualquer jeito. Para o tênis, acho bem interessante usar aqueles cadarços de elástico. Eles são super confortáveis e deixam o tênis bem preso ao pé. Só não pode testar pela primeira vez na hora da prova.
O cabelo para as meninas é um grande problema. Eu prendo  o cabelo como um rabo de cavalo, faço uma trança, prendo na ponta normal e enrolo o cabelo em um coque, sem prender com elástico, só prendendo com o próprio cabelo. Na hora de tirar a touca, o próprio coque se solta e você está com uma trança super gracinha. Na última prova coloquei uma headband enquanto estava correndo e super aprovei. Viseiras também são bem vindas. A roupa eu acho que é o item de maior importância. A minha assessoria esportiva fez um kit lindo, já com um macaquinho incluso. Eu adoro usar ele. É super prático e não me incomodo nenhum pouco com ele. Agora um segredo: as pessoas costumam não usar NADA por baixo dele. Isso mesmo, nada mesmo! Eu me senti muito "exposta". A minha primeira prova usei um maio por baixo e na segunda prova usei a parte de baixo de um biquini e um top de ginástica.

Acho muito legal e indico mesmo fazer essa prova. É nessa hora que colocamos em prática o treino e vemos que não é tão fácil assim, apesar da curta distância, do corpo se adaptar com a mudança rápida de uma modalidade para outra. Já estou de olho nas próximas provas!